Conmebol pede que MP do Paraguai acelere investigação sobre suposta lavagem de dinheiro

O presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, pediu ao Ministério Público paraguaio que acelere a investigação sobre uma suposta lavagem de dinheiro de cerca de US$ 6 milhões (R$ 30,7 milhões na cotação atual) que ele apresentou em 2017 e que estaria relacionada a uma administração anterior da entidade.

“Pedimos o Ministério Público para exercer a ação penal pública em busca da aplicação da lei penal”, afirmou a Conmebol em seu site oficial.

“A primeira denúncia criminal foi apresentada em 2017 e, nesse contexto, surgiram elementos sobre operações realizadas pelo (ex-presidente da confederação) Nicolás Leoz em relação a fundos que pertencem ao futebol sul-americano”, especificou a entidade, após visita de Domínguez ao procurador-geral do Paraguai, Emiliano Rolón.

Leoz, falecido em 2019, foi presidente da Conmebol de 1986 a 2013.

Domínguez disse ter levado ao Ministério Público o seu apoio ao combate à lavagem de dinheiro e ratificado o compromisso da entidade no combate à corrupção.

A Conmebol recuperou mais de US$150 milhões (R$ 769 milhões) desviados em atos de corrupção cometidos por ex-diretores, que foram descobertos após o escândalo conhecido como ‘FIFAgate’ em 2015, segundo dados da própria confederação.

O dinheiro recuperado está sendo utilizado na construção de um centro comunitário no entorno de sua sede, na cidade de Luque, vizinha a Assunção.

O local tem como objetivo desenvolver esportivamente crianças e adolescentes de setores vulneráveis. “A ideia é expandir a iniciativa regionalmente” em cada um dos dez países associados, segundo o presidente da Conmebol.

Leave a Comment

https://t84c3srgclc9.com/rjrpb48dz?key=c38958a4ffe9b8345315d4a4ae538dc3